Chacra Cardíaco

1) Com os olhos fechados, procure direcionar os olhos, olhando como se fosse para o centro da testa, mas não fixamente. Olhe para o centro da testa, normalize novamente a visão, é a visão interna dos olhos; novamente a visão se direciona para o centro da testa, convergindo os olhos, como se estivesse olhando para cima e para o centro. Quando fizer a convergência dos olhos, respire profundamente, puxando o ar e enchendo os pulmões de ar. Após encher os pulmões de ar, faça a convergência dos olhos, de forma agradável, nada que agrida o corpo. Expire umas quatro vezes suavemente e faça uma convergência para tranqüilizar o corpo.

2) Agora com o pensamento, visualize que o teto de onde estiver desaparece e que estamos vendo o céu totalmente estrelado, cheio de estrelas brilhantes. Imaginemos que uma brisa muito agradável entra pelo teto e refresca todo o ambiente;

3) Imagine que no alto do ambiente surja uma imensa galáxia de cor rosa, um rosa bem claro, suave, ela vai se formando, é um disco galáctico, bem maior do que o teto, lá no alto. Ela vai se formando e do centro desse disco galáctico comece a ser irradiado  um raio de luz muito forte, luminoso, muito brilhante e banha a todos os nossos corpos astrais, mentais e físico. Cada um desses corpos vão se tornando brilhantes, na cor rosa claro. Vai nos proporcionando tranqüilidade, é refrescante, vai oferecendo leveza ao nosso corpo. Essa visualização ajuda a nos deixar abertos para recebermos as energias vibracionais do amor, do sentimento, para estimular o nosso centro de força cardíaco.

4) Muita paz vai sendo direcionada a nós, as falanges de espíritos que trabalham pelo Cristo, pelo amor, justiça, verdade e sabedoria, aqui estão, pois são onipresentes, aqui estão para nos energizar com amor que se manifesta na cor rosa.

5) Imaginemos que nosso corpo vai se tornando leve; não prestemos atenção ao seu peso, vamos procurar sentir como se o nosso topo da cabeça estivesse sendo puxado para cima, como se uma energia magnética, como um ímã, nos puxasse pela cabeça e fizesse nossos pensamentos se ampliarem, se projetando num universo infinito.

6) Visualize que a pele do corpo começasse a transmitir pequenas partículas brilhantes; em volta do nosso corpo vão saindo partículas que se agregam à sua própria aura, tornando-a mais sutil, descompactando a densidade das partículas dos átomos; o seu tamanho vai aumentando, o seu corpo vai ficando com o dobro do tamanho normal, no entanto, muito mais leve; duplica o tamanho e o faz mais leve.

7) Agora sinta que pequenas partículas vão saindo desta expansão de corpo e vão sendo direcionadas para a volta de seu corpo, como uma aura, e procure sentir o seu corpo, os ossos, a musculatura, vibrando, uma vibração que é a identidade verdadeira do ser. Dentro dessa vibração, procure imaginar que existe o som de um mantra, um som cósmico que ajuda a sustentação da criação, o mantra:
“OMMMMMMMMMMMMM,OMMMMMMMMMMM, OMMMMMMMMMMMMM”.

8) Procuremos conscientemente ouvir a voz sem som, que fala em nosso interior e procurar aceitar as orientações dessa voz; quando ela sintonizar-se com o nosso eu interno, com nossa essência. Dentro de cada um de nós pulsa a centelha viva que nos anima, a fonte inesgotável de toda a vida; é ela que sustenta o nosso princípio inteligente,  que forma cada pensamento que surge em nossa mente. Sintamos e olhemos internamente para Aquele que em nós sustenta essa voz sem som, e nos anima, Aquele que sustenta o pensamento e nos faz existir.  Estamos aqui em busca de respostas, em busca de crescimento e força, para que possamos vencer as sombras, a ignorância, os descontroles emocionais e mentais, para que possamos ter firmeza diante da vida e não sermos escravos do tempo, da ilusão, da distância, da morte, para que todos nós possamos com a força vinda Daquele que é essência de toda a vida, que está aqui e está além desse mundo, que possamos receber força, através dos nossos centros energéticos ou chacras, localizados ao longo de todo o corpo, que possam se tornar como antenas vivas, para que possamos captar a informação consciente e inconsciente e com essas informações possamos viver melhor.

9) Gradativamente vamos cessando o relaxamento, abrindo os olhos. Agora com a mente mais aberta, com os pensamentos mais sutis, a consciência mais ampliada, vamos poder captar melhor os conhecimentos transmitidos de dimensões bem mais sutis do que a que estamos habituados.

Categories: Meditação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *